segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Reforma Trabalhista: O que muda na jornada de trabalho

​A reforma trabalhista passou a valer a partir do dia 11 de novembro de 2017, atualizando a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Um dos pontos que ela promoveu foi a mudança na jornada de trabalho, onde pode ocorrer a redução do intervalo de almoço dos empregados para, no mínimo, 30 minutos.

O governo, encabeçado pelo presidente Michel Temer, defende as mudanças como uma forma de flexibilizar a legislação e facilitar novas contratações. Por isso, 100 pontos da CLT foram alterados. Como empregador, você precisa entender essas mudanças e adequar o controle das horas com as novas possibilidades da jornada de trabalho.

Acordo para a jornada de trabalho
Uma das mudanças promovidas pela reforma trabalhista é a possibilidade de convenções e acordos coletivos mudarem a jornada de trabalho. Isso pode ocorrer desde que sejam respeitados os limites de 8 horas por dia e até 2 horas extras. Com isso, a jornada de trabalho semanal completa as 44 horas.

Liberação da jornada de 12 horas
A jornada de trabalho de 12 horas, em todas as atividades, passa a ser autorizada somente na escala 12 x 36. Desse modo, o funcionário que trabalha por 12 horas consecutivas deve folgar nas próximas 36 horas. Essa possibilidade já existia antes da reforma trabalhista, porém era restrita a algumas atividades.

É preciso destacar que essa jornada, para valer, precisa ser estabelecida em acordo ou convenção coletiva. O acordo individual é válido somente no setor da saúde.

Criação da jornada de trabalho parcial
Os contratos de até 30 horas, sem horas extras, ou de até 26 horas semanais, com até 6 horas extras, são as duas opções de jornadas parciais. Antes da reforma trabalhista, a lei previa que a jornada poderia ser de, no máximo, 25 horas por semana e sem hora extra. A nova lei ainda dá direito ao período de férias de 30 dias, que antes era proporcional.

Redução do intervalo de almoço
Alguns funcionários gostariam de sair mais cedo do trabalho a fim de estudar, ficar com a família ou se divertir? Para eles, é possível reduzir o intervalo de almoço de 1 hora para 30 minutos — quando a jornada for maior que 6 horas. Isso é possível desde que a empresa entre em sintonia com o sindicato e firme em convenção ou acordo coletivo.

Banco de horas por acordo individual
As leis trabalhistas permitiam às empresas que o banco de horas servisse como alternativa ao pagamento de horas extras. O fato é que isso somente era válido desde que houvesse uma convenção ou acordo coletivo. Não mais. A partir da reforma trabalhista, o acordo pode ser individual e a compensação deverá ser feita em, no máximo, 6 meses.

Atividade particular deixa de contar como hora extra
Se o funcionário precisar usar o tempo com atividades pessoais, como a troca de uniforme (desde que não seja obrigatória a mudança na empresa), isso não entra mais no cálculo das horas extras. O mesmo vale para aquele funcionário que prefere esperar o horário do rodízio de veículos (São Paulo, capital), estudar ou fazer a higiene pessoal.

Com essas mudanças, a sua empresa deve estar preparada para fazer um controle de horas mais efetivo. A fim de se adequar a essa nova realidade, você precisa contar com uma solução eficaz e que dê o suporte necessário para o cumprimento da jornada de trabalho. O controle de ponto digital pode ser essa solução.​

O sistema de ponto Pontomais possibilita que a gestão seja online e completamente descomplicada. Por meio dele, você e os demais gestores conseguem acompanhar os indicadores de desempenho, todas as marcações de ponto em um único aparelho, fazer o fechamento da folha e acompanhar todas as informações da jornada de trabalho em tempo real.


Essa é uma maneira diferente de acompanhar o ponto de cada membro da sua equipe. Adequado à legislação atual, esse sistema oferece mobilidade, fácil usabilidade e suporte para esclarecer suas dúvidas.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

A Oracle abandonou o desenvolvimento do Java?

Segundo afirma matéria (em inglês) no site Ars Techica, a Oracle teria cortado o investimento e interrompido o desenvolvimento do Java Enterprise Edition (Java EE), versão da linguagem de programação para servidores, que faz parte de centenas de milhares de aplicações de internet e de negócios — crucial, inclusive, para muitas aplicações que não são baseadas em Java.

O motivo da interrupção, de acordo com o site especializado em tecnologia, é que a Oracle teria decidido acabar com projetos, de modo geral, que não geram receita e restringir projetos de código aberto, a fim de rentabilizar o acesso a eles.
Para analistas ouvidos pelo Ars Techica, os efeitos negativos dessa decisão, tanto no curto prazo quanto no longo prazo, serão enormes, já que a comunidade global de TI é muito dependente do Java e do Java EE. Muitos lembram que o ecossistema Java vem sendo desenvolvido há cerca de 20 anos e cresceu bastante, principalmente por causa de seu modelo baseado em código aberto. Por isso, segundo eles, restringir ou suspender os investimentos no Java EE significa um ritmo mais lento das atualizações da linguagem e dos patches de segurança.
Outro impacto é que seriam necessários milhares de aplicativos de servidor e de nuvem para substituir os componentes em que o Java EE já está incorporado. Em resumo, isso pode causar ainda mais problemas entre Oracle e a comunidade de desenvolvedores e até mesmo levar a uma cisão entre eles e a empresa.
Alguns analistas acreditam, no entanto, que a Oracle tem várias razões para não interromper totalmente o desenvolvimento do Java EE. Isso porque ela própria depende fortemente da linguagem de programação para seus softwares e serviços, e contribui indiretamente para mais de 70% da receita da companhia com a venda de licenças e suporte de software, de acordo com a Ars Technica. Se interromper o Java EE, a empresa terá de compensar essa perda de receita com outros produtos ou serviços.
Um aspecto apontado pelos analistas é que o Java proporcionou à empresa uma base de operações na nuvem e fomentou um forte relacionamento entre ela e os desenvolvedores, bem como com os clientes. Além disso, a Oracle já investiu tempo e recursos substanciais na linguagem de programação.
Isso sem falar que durante anos a fabricante de software travou uma disputa nos tribunais contra o Google, alegando que o gigante das buscas incluiu ilegalmente partes do Java no sistema operacional para dispositivos móveis Android. Por isso, a Oracle pediu uma indenização de US$ 9,3 bilhões, por perdas e danos. No fim de maio, no entanto, o júri do Tribunal Federal do Distrito Norte da Califórnia, em San Francisco, decidiu por unanimidade que o uso pelo Google de partes da linguagem de programação para desenvolver o Android é protegido pela cláusula de "uso justo", prevista pela legislação de direito autoral dos Estados Unidos. Após a sentença, a Oracle disse que iria recorrer da decisão.
É provável que a Oracle queira simplesmente terceirizar o desenvolvimento do Java EE, enquanto mantém o controle direto sobre o Java Standard Edition (SE). O Java EE depende do núcleo do Java SE para operar, de modo que isso permite que a Oracle mantenha o controle primário sobre a plataforma Java.
Os rumores sobre a interrupção do desenvolvimento ganharam dimensão após funcionários da Oracle que trabalharam no Java EE terem dito a pessoas da comunidade Java que eles foram deslocados para trabalhar em outros projetos. Também ocorreram conversas entre alguns desenvolvedores de Java EE de que a empresa abandonou a compatibilidade com a plataforma de software com a aquisição da Sun Microsystems, há seis anos. No entanto, a Oracle permanece em silêncio sobre seus planos para o Java EE.
A recusa da Oracle em fazer qualquer comentário, levou alguns membros da comunidade Java a questionar o compromisso da empresa não apenas com o Java EE, mas como toda a plataforma.
Fonte: TI Inside

sábado, 18 de junho de 2016

Os empreendedores não têm um gene especial para o risco: eles apenas vêm de famílias com dinheiro

Estamos em uma época do culto ao empreendedorismo. Analisamos o que escreveram Tory Burch e Evan Spiegels à procura de uma fórmula mágica ou um conjunto de traços de personalidade que levassem ao sucesso. O empreendedorismo está em ascensão, e cada vez mais alunos que estão saindo das escolas de negócios estão escolhendo ter suas próprias startups ao invés de ir trabalhar em Wall Street.
Mas o que muitas vezes se perde nestas conversas é que a característica mais comum compartilhada entre esses empreendedores é o acesso fácil ao capital financeiro: dinheiro da família, uma herança, ou um "pedigree" com conexões que permitem o acesso à estabilidade financeira. Enquanto na maioria das vezes parece que os empreendedores tendem a ter um admirável propensão para risco, a verdade é que o acesso ao dinheiro que lhes permite tomar riscos mais altos (no caso de falência, bastaria recomeçar tudo novamente com capital de terceiros).

E essa é uma vantagem fundamental: quando as necessidades básicas são atendidas, é mais fácil ser criativo. Quando você sabe que você tem uma "rede de segurança" lhe protegendo em caso de fracasso você está mais disposto a correr riscos. "Muitos outros pesquisadores replicaram a constatação de que o empreendedorismo é mais sobre dinheiro do que características genéticas", diz o professor da Universidade de Warwick, Andrew Oswald. "Genes provavelmente importam, como na maioria das coisas na vida, mas não tanto assim."

Os economistas Ross Levine e Rona Rubenstein, da Universidade Berkeley, Califórnia, analisaram os traços compartilhados entre os empreendedores em um artigo publicado em 2013 e descobriram que a maioria era era composta por homens brancos altamente educados. "Se não tiver dinheiro na forma de uma família rica (ou com bons contatos), as chances de se tornar um empreendedor caem um pouco," diz Levine.

Uma nova pesquisa publicada nesta semana pela National Bureau of Economic Research analisou o grau de assunção de riscos no mercado acionário e descobriu que fatores ambientais (não genéticos) foram os principais responsáveis pelas tomadas de decisão. Ou seja, a tolerância ao risco aumenta ao longo do tempo, quando os operadores estão mais experientes e com maior patrimônio, dissipando o mito de um "gene de empreendedorismo" responsável por fazer com que as pessoas fizessem operações mais arriscadas.

Resiliência é, indubitavelmente, uma característica necessária para o sucesso; muitos empresários notáveis experimentaram sucesso somente após seus primeiros empreendimentos falharem. Mas a barreira de entrada é muito alta.

Para profissões criativas, começar um novo empreendimento é um privilégio. Muitos fundadores de startup não recebem salários por um bom tempo, até o negócio maturar. O custo médio de uma startup é de cerca de US$ 30.000,00 de acordo com a Fundação Kauffman. Dados da Global Entrepreneurship Monitor mostram que mais de 80% do financiamento para novos negócios vem de economias pessoais, amigos e família.

Uma mulher de 31 anos que dirige um negócio na área social na região de Nova York e pediu para não ser identificado, disse: "Seguir seus sonhos é perigoso. Toda essa gente está sendo seduzida a pensar que eles podem sair e perseguir o seu sonho a qualquer momento, mas não é verdade".

"Sim, certamente trabalho árduo resultará em algo, mas as pessoas subestimam o quanto uma rede de contatos e um colchão financeiro te dando suporte influenciam no sucesso do teu empreendimento".

Fonte: Quartz